top of page

Amamentar à tarde e a noite estimula mais a atividade da prolactina

Sim, é isso que Huang e Chih trazem no artigo intitulado Increased Breastfeeding Frequency Enhances Milk Production and Infant Weight Gain: Correlation with the Basal Maternal Prolactin Level publicado em outubro de 2020 na Breastfeed Med.


Eles demonstraram ainda que a sucção é o estímulo fisiológico mais importante que afeta a secreção de prolactina e esse impulso induz picos de secreção que são fundamentais para a manutenção da lactação.


Não é para deixar de amamentar pela manhã, gente.


A recomendação é livre demanda, mas vale reforçar a importância da frequência das mamadas em períodos do dia que a nutriz geralmente pode estar mais cansada: à tarde e à noite.


A prolactina é o hormônio responsável pela produção de leite.


PROlactina = PROdução, ok?!



Então, amamentar com frequência, em livre demanda, nesses períodos é essencial e ajuda a manter essa produção.


Quando a mãe opta por não amamentar à noite, pode acontecer da produção de leite cair gradualmente, causando muitas vezes frustrações e possíveis motivações para um desmame indesejado.


Além disso, vale a pena ressaltar que no leite humano, a melatonina exibe variação circadiana com a acrofase consistentemente à noite com um valor de pico médio de 46,9 ± 4,2 pg/mL (média ± SEM) medindo à meia-noite e níveis indetectavelmente baixos durante o dia.


A melatonina é um importante indicador da noite, mas também funciona como um antioxidante, agente anti-inflamatório, agente antinociceptivo e regulador imunológico. (Italianer MF et al, 2020)


Como a melatonina não é produzida pelo bebê no início da sua vida, recebê-la da mãe através do leite vai ajudá-lo a estabelecer melhor um ritmo de sono, além de poder dormir longos períodos à noite, fora o reforço na proteção antioxidante e imunológica.


Compartilhe esse post com alguma mãe que precisa saber disso!


662 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page